LIVROS

LIVROS
CLIQUE SOBRE UMA DAS IMAGENS ACIMA PARA ADQUIRIR O DICIONÁRIO DIRETAMENTE DA EDITORA. AVALIAÇÃO GOOGLE BOOKS: *****

domingo, 26 de agosto de 2012

II – A indústria cultural, a “Turma do Cornélio Pires” e Theodor Adorno.

Turma do Cornélio PIres, com o patrono de terno, em 1929

Com a “desapropriação” da música sertaneja pela chamada indústria cultural, os agentes e produtores passaram a ser “patrões” das duplas: “olha, eu vendo seu produto, vocês vão ficar ricos, mas têm de cantar o quê e do jeito que eu mando e se vestirem e agirem como eu digo”. A música sertaneja antes falava de fazenda, plantio e colheita, da porteira, das agruras da vida, à moda da “Turma do Cornélio Pires”, cujo LP de 1930 registrava o espírito simples do sertanejo em faixas como “Bigode Raspado”, “Situação Encrencada” e “Aguenta Maneco”. Com a “Turma”, entre muitos outros, fecham Tonico e Tinhoco, Alvarenga e Ranchinho, grandes vendedores de “bolachas” (78 rpm e LPs), eternizados pelo povo amante de sua origem comum. Mas e as novas duplas? O que são?
Theodor Adorno
Segundo o filósofo alemão Theodor Adorno (1903-1969), a arte popular, depois de apossada pela indústria, passa a ser “civilizada” – no sentido de aculturada - e deixa de trazer em si os aspectos mais ricos da simplicidade rústica. A indústria cultural, segundo ele, é o império, a “tirania do lucro”. No Brasil, essa transformação foi avançando, e a dupla Léo Canhoto e Robertinho entregou-se de vez à “modernidade”, cujo melhor exemplo de rendição talvez seja “Meu Carango”, que traz uma parte falada: “Sai da frente, sua lata velha” / “passa por cima” (responde o outro)  / “pois eu passo mesmo, lá vou eu” (diz o primeiro) / crashhhh! (som de acidente de automóvel) / “Ô seu cretino, você amassou todo meu carro, vai ter que pagar!”. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.